Como tudo na vida, morar em um condomínio tem seus pontos positivos e negativos. Por um lado, você divide o valor do condomínio com o restante dos moradores para obter mais segurança, conforto e bem-estar. Por outro, a convivência, principalmente quando o assunto envolve dinheiro, não é uma tarefa fácil.

As cláusulas que determinam o valor do condomínio

Conhecer a convenção do seu condomínio é uma etapa importante para entender o que você está pagando. Nela está discriminada a forma como o valor do condomínio é dividido entre as unidades. Além disso, também constam outros tópicos que influenciam o valor, como a infraestrutura que o condomínio oferece. Dessa forma, são três os aspectos principais para o cálculo do valor:

a) Tamanho das unidades: quanto menor o apartamento, menor será a fração ideal correspondente a ele. Assim, essa fração determina a proporção que cada um paga do valor total.

b) Conservação do condomínio: quanto mais antigo e mal-conservado o prédio, maior a chance de precisar de manutenção e reparos. Por isso é importante também possuir um fundo de reserva para essas horas.

c) Infraestrutura: o tamanho das áreas comuns, a quantidade de empregados, se possui piscina, sauna, academia, jardim, etc., tudo influencia no valor do condomínio. Segundo o portal especializado SíndicoNet, a folha de pagamento responde por cerca de 65% do valor do condomínio.

Fiscalizando seu condomínio

Algumas dicas para ajudar você a ficar bem informado sobre o seu prédio:

Verifique os valores cobrados, principalmente se são compatíveis com o demonstrativo de despesas. Normalmente esse documento está disponível para consulta no mural do condomínio e/ou em anexo no boleto de pagamento.

•  Observe a presença dos funcionários e a quantidade dos mesmos, para confirmar se todos estão realizando suas tarefas conforme acordado.

Seja participativo nas decisões do condomínio, principalmente se você precisa questionar ou debater alguma escolha. Se proprietário, compareça às assembleias e vote. Se locatário, acompanhe todas as mudanças.

Cobre do síndico seus compromissos. É ele o responsável por toda a documentação e  por representar judicialmente o condomínio quando solicitado.  Uma de suas principais funções é facilitar uma boa comunicação com os moradores,  além de zelar pelo patrimônio e pela boa convivência.

Leia a convenção do condomínio. É obrigação de cada morador saber as leis que regem aquele ambiente em comum e que todos estejam cientes de seus direitos e  deveres.

Previsão orçamentária

Além disso, anualmente todo condomínio deve realizar uma previsão orçamentária, ou seja, ter uma base e um teto previsto para o próximo ano. A partir dessa análise é possível calcular o que pode ou não ser gasto e investido pelo condomínio.

A finalidade dos recursos arrecadados pelo condomínio é garantir o funcionamento e conservação do edifício e áreas comuns, para que todos tenham, igualmente, benefícios e responsabilidades. É importante que haja planejamento estratégico, transparência e, claro, a participação efetiva de todos os moradores nas decisões. Com isso, já é possível descartar surpresas na hora de pagar ou cobrar o condomínio e sua administração.


Pra saber um pouquinho mais sobre valor do condomínio, confira o vídeo do E agora, Raquel? onde tratamos do tema:

Se você ainda ficou com dúvidas, mande pra gente: eagoraraquel@taperinha.com.br.

A Taperinha também oferece o serviço de administração de condomínios, ajudando seu prédio a lidar com as principais situações do dia a dia, como o valor do condomínio, de um jeito fácil e prático. Fale com a gente por telefone ou WhatsApp e peça um orçamento: (55) 99944.6284