O seu lar está totalmente assegurado, caso haja um acidente? Pensar sobre isso pode até parecer uma visão trágica da vida. Mas situações extremas existem e podem atingir qualquer pessoa. Nesses casos, então, o melhor é garantir um seguro residencial.

Se você não entende muito do assunto, não se preocupe. Neste artigo, vamos esclarecer tudo sobre como proteger o seu cantinho, seja ele próprio ou alugado. Confira!

Como funciona o seguro residencial?

O seguro residencial serve para casas e apartamentos. O pagamento dele é feito anualmente, podendo ser parcelado ou não, dependendo da seguradora.

O amparo pode ter diversas modalidades, mas vale destacar que as obrigatórias são aqueles que indenizam em caso de incêndio e destruição total ou parcial da propriedade. Aliás, no quadro “E agora, Raquel?” existe um vídeo que também explica tudo isso. Aproveite!

Atenção para os seguros de condomínios

Existem dois seguros que são obrigatórios em relação a incêndio e vendaval:

1) seguro do condomínio — todos os moradores devem pagar. Ele abrange o prédio em si e áreas comuns;

2) seguro da unidade — protege a “casca” do apto, ou seja, o que está dentro não é assegurado. De acordo com a lei, se o apartamento for alugado, o proprietário pode repassar o custo do seguro para o locatário, assim como acontece com o pagamento do condomínio e do IPTU.

Outros cuidados

Além dos seguros que já comentamos, você também pode contratar uma indenização para casos de furtos e roubos. Além da assistência técnica para problemas elétricos ou hidráulicos, por exemplo. Independente do valor, o melhor é sempre proteger o lugar onde você e sua família moram.

Tem mais dúvidas sobre o mercado imobiliário? Confira as respostas aqui no blog. Além disso, no site da Imobiliária Taperinha, você também pode encontrar as melhores recomendações.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário aqui embaixo! Vamos adorar saber a sua opinião!