Histórias da Taperinha Cristina Assistente Financeiro Foto 01
 
Cristina Fernandes Andrades, 32 anos, é assistente financeiro da Imobiliária Taperinha desde maio de 2013. Para ela, que é a última colaboradora a compartilhar vivências à campanha Histórias da Taperinha, sobrou assunto. Isso porque história é com ela mesma.
 
Administradora por formação, estudante de História e assistente financeiro, Cristina não para nunca. Na Taperinha já trocou de função pelo menos três vezes e está sempre preparada para um novo desafio. O mesmo que a motivou a fazer parte da empresa, há mais de dois anos:
 
– Eu nunca tinha nem pensado em trabalhar em imobiliária, pois não sabia nada do ramo. Foram vários frios na barriga. Quando contei que era a Taperinha para meu pai, ele falou tão bem. Falou de quanto era séria e conhecida desde quando funcionava na Rua do Acampamento. Já no dia da entrevista, logo dei de cara com o seu Claudio, aquele homem imenso, que eu lembrava conhecer dos tempos do CTG. Junto, a Raquel, chiquérrima e falando tudo bem claro. Foi um grande desafio que acabou dando certo. Bastou conversamos para eu me sentir à vontade e querer muito trabalhar aqui.
 

“Estamos sempre construindo. Somos nós os agentes da história.”

 
Natural de Santa Maria, desde a infância Cristina sonhava em ser professora. Junto do sonho, ela também carregava a paixão pela disciplina de História. Porém as surpresas da vida a levaram a percorrer outros caminhos.
 
Primeiro, foi a vinda do filho Andriel. Bastante jovem e mãe aos 15 anos, Cristina priorizou a criação do menino. Seu primeiro emprego, após concluir o Ensino Médio, foi como doméstica. Após, ingressou em um curso de informática e passou a desempenhar funções de recepcionista e auxiliar administrativo em algumas empresas da cidade. Anos mais tarde, cursou a faculdade de Administração. Persistente e inquieta, não parou por aí. Desde o ano passado, ela também é acadêmica do tão sonhado curso:
 
Histórias da Taperinha Cristina Assistente Financeiro Foto 02– Eu queria estudar e não sabia exatamente o que fazer. Aí fui para a Administração e acabei me encontrando, pois se aprende um pouco de tudo e hoje eu aproveito muito. Mas aconteceu que eu acabei me deixando levar pelos outros que diziam que se eu fosse professora eu iria ganhar muito pouco e tal. Com o filho, também pesou, mudou tudo. É algo mais forte, sempre é ele em primeiro lugar. Mesmo assim, sempre foi um sonho, porque considero a profissão mais linda do mundo. Hoje, estou feliz na Taperinha e, finalmente, no terceiro semestre de História, na Unifra. Não adianta, vou ser professora de qualquer jeito (risos).
 
Radiante, a assistente financeiro gosta de falar sobre a vida, o trabalho, os sonhos e, especialmente, o futuro. Ela, inclusive, rebate esse pensamento de que história é somente coisa do passado. Até parece que a proposta da campanha da Taperinha, que no auge de seus 42 anos buscou resgatar vivências, compreender e valorizar cada pessoa, esteve o tempo todo sintonizada ao modo de agir e pensar de Cristina:
 
– Para mim, história é também desconstruir paradigmas, é ir além. Estamos sempre construindo. Somos nós os agentes da história.
 
Histórias da Taperinha Cristina Assistente Financeiro Foto 03
 
Texto: Pâmela Rubin Matge
Fotos: Juliano Mendes