Histórias Taperinha Setor Financeiro Cabeçalho
 
Uma relação entre colegas que se transformou em amizade sem perder o profissionalismo. Em meio a números e gentilezas, Cristina Araújo Kirchhof, 27 anos, e Fernanda Luiza Toller, 26 anos, são exemplo de bom atendimento a locatários e proprietários da Imobiliária Taperinha, resolvendo o problema que surgir pela frente. Elas são colaboradoras do setor Financeiro. A convivência entre as duas é de pouco mais de um ano, mas as histórias já são diversas.
 


 
Cristina é natural de Santa Maria e cursa Ciências Econômicas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). No currículo estão algumas experiências no comércio e estágios em uma empresa de transportes e na secretaria de um hospital. Hoje ela é convicta ao dizer que não pretende sair ou trocar a Taperinha por empresa nenhuma. Contudo, quando chegou à imobiliária, em agosto do ano passado, o pensamento era um pouco diferente:
 
– Foi um susto chegar e ver aquele monte de papel. Eu pensei em desistir. Fiquei por causa da Fernanda, que me ajudava muito e dizia: calma, fica aqui, tu vai conseguir!
 
E foi principalmente pela calma – característica mais marcante da colega – que Cristina ficou e segue esbanjando agilidade em tudo o que faz no trabalho.
 
Fernanda, que havia chegado à imobiliária antes, deixou a cidade natal, São Pedro do Sul, em 2007, e veio cursar um técnico em Administração no Coração do Rio Grande. Depois vieram estágios e outros empregos até que foi contratada pela Taperinha, em setembro de 2012. Além da função de assistente-financeiro, também é acadêmica de Pedagogia, na UFSM. A opção pelo curso se deve ao fato dela adorar crianças. A propósito, tem uma vindo aí: Fernanda está grávida de quatro meses. E sorri com os olhos e se emociona cada vez que fala no bebê. O curioso é que a primeira pessoa a ficar sabendo da gravidez não foi a mãe ou o namorado…
 
Histórias Taperinha Setor Financeiro Fernanda Dois– Eu havia feito o exame de farmácia e não tinha ficado 100% claro. E eu não podia estar mais ou menos grávida, né? (risos). Sempre quis ser mãe nova, mas a gente fica nervosa, não sabe o que pensar. Aí fiz o exame de sangue e quando peguei o resultado não entendia, não sabia interpretar direito. Lá no laboratório só a química poderia falar e não estava lá. Até que a Cris, que estava comigo, insistiu para a mulher que nos atendeu e perguntou: afinal, ela está ou não está grávida? Aí ela disse que sim. A Cris foi a primeira pessoa a ficar sabendo! – conta Fernanda, cheia de carinho pela colega e, mais do que nunca, amiga, Cristina.
 

É preciso gostar do que se faz

 
Em uma rotina marcada por números, prazos e pagamentos, onde a responsabilidade e a concentração são imprescindíveis, as colegas compartilham da mesma opinião ao relatar que trabalhar na Taperinha é motivo de orgulho, e para estar, sobretudo, no setor Financeiro, é preciso gostar do que se faz.
 
– As pessoas nos param até na rua para conversar quando veem que somos da Taperinha. No telefone acontece muita coisa. Eu me coloco no lugar do outro e acabo sabendo de histórias pessoais e estabelecendo um vínculo – relata Fernanda, que credita esse relacionamento com os clientes à tradição que a imobiliária consolidou na cidade.
 
E para Cristina, motivos não faltam para se sentir bem e prestar um bom atendimento:
 
Histórias Taperinha Setor Financeiro Cristina Dois– Na Taperinha temos tudo. Uma infraestrutura que nenhuma outra imobiliária da cidade tem. Temos cozinha montada, boteco, uniforme, nosso salário é acima da categoria… Sem falar na organização: tudo é disponibilizado. Temos manuais e os demonstrativos são claros. Ah, e aqui a gente é quase psicóloga (risos). Tem pessoas que só precisam de atenção, parece que se aliviam em estarmos ali para ouvi-los. Notamos no tom da voz. Começam exaltados, aí explicamos com calma, resolvemos o que precisam e até o tom da voz muda. Na ligação seguinte ou quando vêm na imobiliária, até presentinho nos trazem e querem ser atendidos sempre pela mesma pessoa. Com a Fernanda isso acontece ainda mais, pois ela é sensível e tem muita paciência.
 
Histórias Taperinha Setor Financeiro Rodapé
 
Texto: Pâmela Rubin Matge
Fotos: Juliano Mendes